A Grandolar por aí

Como seria bom regressar à vida antes do 25 de Abril? No dia 24 de Abril de 1974 eu era ingénua e desconhecia. Desconhecia Grândola e as canções censuradas, desconhecia Catarina Eufémia assassinada pela polícia do regime de Salazar. Desconhecia o facto de mulheres não poderem votar, nem divorciar-se, nem viajar sem autorização dos maridos.…

Engordar, rezar e desamar

Desanuviando neste mundo mal frequentado, entre um trago de rum em substituição de café (este último deixa-me nervosa), de células cinzentas num tom cinquenta vezes mais escuro, deixo um escrito relaxado. É antes a sinopse de prosa poética romanceada de cordel (pulp fiction), desamorosa, desamargosa, como se se tratasse do disparo de um Tomahawk de…

Vamos deixar o Juiz Ivo Rosa sozinho?

Não, não podemos deixar que isso aconteça. E como dizia Martin Luther King, o que é mais preocupante, por vezes, não é a acção das pessoas desonestas, mas o silêncio das pessoas honestas. Na minha memória viva de adulto, a maior prova de coragem a que assisti ocorreu na passada sexta-feira através do exercício do…

Súmula

“O mágico fez um gesto e desapareceu a fome, fez outro e desapareceu a injustiça, fez um terceiro e desapareceram as guerras. O político fez um gesto e desapareceu o mágico.”  Woody Allen. Tenho escrito sobre a impunidade de grupo ao longo desta pandemia (e não apenas), não aquela provocada pelo vírus, mas aquela provocada…

O enterro da Democracia

Temos vindo a assistir, e de forma crescente, a episódios cada vez mais reveladores de algo que a História há muito nos ensinou e de que não nos deveremos nunca esquecer: são frequentemente os dirigentes e os partidos políticos que se dizem defensores dos cidadãos e, em particular, dos trabalhadores, que cumprem, afinal, a lastimável…