Justiça – Até quando abusareis vós da nossa paciência?

Nestas últimas semanas fomos confrontados, em matéria de Justiça, com três situações tão importantes quanto particularmente reveladoras do real e muito grave estado de coisas em que nos encontramos: Primeira – Um caso de violência doméstica O Tribunal da Relação de Lisboa[1] revogou recentemente uma inefável sentença do juiz do Tribunal da Horta–Faial, António Calado, que absolvera um…

Um punhal cravado na alma

Luis Giovani Rodrigues, tocava piano na Igreja de Mosteiros na Ilha do Fogo, em Cabo-Verde. Estava desde Outubro de 2019 em Portugal, a estudar, através de um convénio entre o Governo de Cabo-Verde e a Universidade de Bragança. Saiu para se divertir. Era a madrugada do dia 21 de Dezembro de 2019. Ficou em coma…

A guarda alternada e a (des)igualdade parental: história de uma falácia convertida em lei

Na semana passada, o Parlamento português praticou mais duas indecorosas façanhas contra inúmeras pessoas das mais vulneráveis da nossa sociedade. Primeiro, na quinta-feira 12/12 e com o decisivo voto contra do PS, chumbou sucessivamente quer os projectos de lei (apresentados pelo BE e pelo PAN) que previam o reconhecimento do estatuto de vítima às crianças…

Agradecimento Natalício

Recebi uma carta do Pai Natal que dizia não poder vir este ano. Começava a carta, “foda-se, este ano não vou!”. Por causa das alterações climáticas a Lapónia está em estado de emergência, debaixo d´água, as renas estão sem pistões, o trenó mete dó, sem a bateria que carregava a música da maria carey. Continuava…

O império do medo

O regime fascista, como todos os regimes ditatoriais, não só utilizava a repressão directa e brutal como impunha igualmente a cultura do medo e também a da mentira. Assim, não só vigiava, perseguia, encarcerava, torturava e até assassinava os seus opositores, como procurava incutir a tudo e a todos o medo. O medo de não…

Corrupção e colaboração premiada

Os meandros dos crimes de corrupção de “colarinho branco” cuja expressão vem do inglês “white-collar” (do romancista Upton Sinclair em 1919) designando funcionários hierarquicamente superiores, vestidos com formalidade (por oposição aos “blue-collar, trabalhadores braçais), que se aproveitam das suas funções e posição de privilégio para cometer crimes de fraude, desvio ilícito de dinheiro e qualquer…