Assunção Cristas furiosa com o enviado do CDS ao congresso do MPLA, Hélder Amaral

539372A direcção do CDS aguarda o regresso de Hélder Amaral para esclarecer o discurso sobre o MPLA

“A direção de Assunção Cristas ficou chocada com o que Hélder Amaral disse”, contou ao i fonte da direção do CDS.

“Por enquanto, a convicção da direção é que se tratou de um excesso de voluntarismo, de um lapso e não de uma afronta, mas perdemos algumas horas com aquelas declarações. Costuma ser um tipo ponderado.” Hélder Amaral é o representante do CDS-PP no sétimo congresso ordinário do MPLA, partido do presidente angolano.
Em declarações à imprensa de Luanda, o deputado português afirmou ontem que “no CDS temos todos relações com o MPLA” e “obrigação de ter relações com o MPLA”.

Enquanto a direção assume ao i que “o CDS hesitou antes de aceitar o convite para ir ao congresso”, Amaral garantiu que “foi feito um convite e nós viemos a correr”.
A fonte do i, por outro lado, clarifica: “Fomos esta primeira vez até devido às altas instâncias que o PS, com um presidente, e o PSD, com um vice-presidente, enviaram em delegação a Angola”. E que “o CDS também vai ao congresso do partido de oposição ao MPLA”.
O SUBSTITUTO “Hélder Amaral não foi a primeira escolha do CDS para representar o partido no congresso do MPLA”: um pormenor confirmado, na medida em que Luís Queiró já havia sido anunciado como representante, tendo sido substituído à última hora por Hélder Amaral. “Há muita gente de férias”, acrescentou.

O i sabe que a direção aguarda a chegada de Hélder Amaral para esclarecer as declarações e, se necessário, acertar nova reação. Michael Seufert, ex-deputado do CDS na Assembleia da República, afirmou ao i que, na sua opinião, “o CDS não deveria enviar uma delegação a congressos de partidos totalitários”.

José Miguel Cerdeira, economista militante do CDS, resumiu: “De um ponto de vista patriótico e de proteção dos interesses nacionais, percebe-se uma presença de representação, sendo, mesmo assim, duvidosa. Contudo, o entusiasmo manifestado é totalmente despropositado.
No mínimo, colide com outros valores do CDS como o respeito pela democracia e pelo pluralismo. Foi demasiado além do que a cortesia diplomática exige. E isso tem custos.” Francisco Rodrigues dos Santos, presidente da “jota” do CDS, não tardou também a pronunciar-se sobre a polémica. Na sua página pessoal de Facebook, escreveu: “A Juventude Popular não se revê em nenhuma outra força juvenil que baseia a sua matriz no marxismo-leninismo. Seja cá dentro ou lá fora.
A JCP ou a JMPLA.” Ao i, o líder da Juventude Popular tornou a sublinhar que “o CDS e o MPLA são partidos antagónicos”, contrariando o deputado Hélder Amaral.

A FAMÍLIA Uma fonte militante do CDS-PP também admitiu ao i que Amaral estaria condicionado. “O que esperavam do Hélder Amaral depois de o indicar para representar o CDS no congresso? Que ele dissesse mal de José Eduardo dos Santos? Ele tem família lá!” Outro apoiante do partido centrista revelou que Hélder Amaral bloqueou várias visitas de Assunção Cristas a Viseu, distrito que elegeu o deputado. As visitas terão sido “solicitadas pelas estruturas”, mas Amaral “boicota qualquer interferência externa, estilo MPLA”.Para a Coreia? José Ribeiro e Castro, um antigo presidente dos centristas, também mostrou o seu desagrado perante o sucedido. “O congresso do CDS talvez venha a contar também com a presença de delegações do Partido Comunista de Cuba e do Partido do Trabalho da Coreia do Norte”, ironizou.

A notícia em que Hélder Amaral declara que “a nossa presidente é angolana” despontou a revolta dos eleitores tradicionais do CDS-PP nas redes sociais, habituados a um conservadorismo que valoriza a nacionalidade e faz parte da matriz ideológica do partido desde a sua fundação, em 1974. Telmo Correia, vice-presidente da bancada centrista, corrigiu à agência Lusa: “A nossa intenção é estar presente e manter diálogo com todos os partidos”, desmentindo a tese de Amaral acerca da afinidade especial do CDS-PP com o MPLA.

Ao i, a direção do CDS confirmou que “não subscreve qualquer entendimento das palavras de Hélder Amaral que presuma uma alteração da posição do CDS quanto à democracia e ao pluripartidarismo”. O partido segura o deputado, demarcando-se, ao mesmo tempo, do percalço ocorrido.

Questionada sobre o facto de Amaral não ter apoiado assumidamente Assunção Cristas para a liderança do partido, sendo mais próximo de Nuno Melo, a fonte esclareceu que “Assunção não é pessoa para não contar com quem não a apoiou desde o início e não deverá pronunciar-se até ao final do congresso do MPLA”.

http://ionline.sapo.pt/artigo/521017/assuncao-cristas-furiosa-com-o-enviado-do-cds-ao-congresso-do-mpla-helder-amaral?seccao=Portugal_i

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *