Carta aberta ao Facebook- rede por onde se distribui este site de notícias

Querido Marco, obrigada por teres criado esta parede – na caverna onde vivemos – como distracção, forma de entretenimento, contacto de maior proximidade (discutível), de troca de informação e ideias entre os da espécie.  Foi inteligente perceberes a psicologia, este nível de ligações a que estamos sujeitos na nossa génese. Feitos seres sociais, interligados, interrelacionados…

Queres tomar uma chávena de bondade comigo?

Vejo o mundo com olhos diferentes. Mais entendidos. Menos dolorosos. Mais alargados. Mais lacrimosos. Menos escondidos. O meu olhar metastizou-se pela corrente sanguínea. Carregou um código-postal que o encaminhou directamente às emoções que alimentam o meu coração. Sou culpada de todos os crimes de que sou acusada. Estou inocente do crime que carregou até à…

Notre-Dame, um culto da Humanidade

Entre trevas, fogo e renascimento – Notre Dame é uma Catedral Templária, tendo sido desde o início das suas diversas fases de construção, restauração, incorporação de estilos e remodelação, um templo de culto ao Sagrado Feminino – Ísis, senhora da fertilidade e da energia Universal até à Virgem Maria. Duzentos anos demorou a sua construção,…

Carta aberta de Jô Soares

“Caro presidente Jair Bolsonaro. Entendo a reação provocada quando o senhor afirmou que o nazismo era de esquerda. Isso se deve ao fato de que, depois da Primeira Guerra Mundial, vários pequenos grupos se formaram, à direita e à esquerda.  Um desses grupos foi o NSDAP: em alemão, sigla do Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores…

Novas Tecnologias, Democracia e Redes Sociais

É indiscutível que os grandes avanços tecnológicos, em particular os das chamadas Novas Tecnologias da Comunicação e Informação, conhecidos nos últimos 30/40 anos, representaram não só um conjunto de enormes progressos como uma profundíssima alteração do modo de funcionamento da actividade económica, financeira, social e política. Tais avanços permitiram, entre outras coisas, armazenar e tratar…

Uma peça que (quase) parece verdadeira

Senhor primeiro ministro, disse como prova da política que lançou o seu governo (pós política de austeridade ou melhor dizendo pós agenda “vamos-atirar-esta-gente-que-está-a-mais-ao-mar-e-dizemos-que-as-empurrarem”), que o número do desemprego em Portugal baixou para 6,2%.  Acho que está a ser muito modesto. A sua peça quase parece verdadeira. Se calhar ainda tem menos desempregados. Mesmo sem lupa…