Carta a Simone, a GOAT (the Greatest Of All Time)

#Bilesésamáior #Bilesgoodforyou #Simonewelldone

Venho-te enviar amor. Por tudo. E agradecer o quanto já me entretiveste e deixaste de queixo descaído como às paralelas assimétricas. Tenho a certeza que mais ninguém queria mais do que tu ganhar as medalhas de ouro à tua disposição em Tóquio.

Já estavas preparada em 2020 e como a todo mundo a pandemia atirou-nos para um lugar escuro com problemas de saúde mental graves. Tudo adiado e tudo confuso, deves ter tido tempo para te tresler de novo. No entanto, continuaste a treinar arduamente.

Tu que com forças sobre-humanas nunca paráste para dizer “ajudem-me que eu sou humana”.

Finalmente pensaste apenas em ti e fizeste muito bem. Saltaste e percebeste que não sabias onde estavas. São os truques da mente. Nós fugimos deles mas eles apanham-nos sempre. Perceber que fomos apanhados e responder ao problema é só possível a alguns. Outros morrem cedo. Ou são atirados para outro universo onde as luzes estão apagadas.

Só para mencionar o caso do Michael Phelps, outro atleta de elite que admirei sempre e caiu no vortex de um buraco negro por não ter parado a tempo e reconhecido o que lhe estava a acontecer.

Espero que agora tires férias de nós porque mereces. Para mim tens a medalha de diamante como ser humano superior. Parares para te escutares e olhares.

Nunca o fizeste. Nem sabes o quanto nos ensinas, como espécie em evolução. A ginástica desportiva, as tuas vitórias em competições entre atletas de elite é apenas um detalhe da tua vida por maior que seja.

Pertences a um universo paralelo em força anímica e capacidade física. Um Hércules entre as deusas.

O que conta para mim é a tua maneira de te transformares, de te trefazeres.

Foste criada em orfanatos, filha de mãe toxicodependente e por esta abandonada, quando finalmente encontraste a tua casa e família tresleste a paixão que iria ocupar o teu destino.

O país onde nasceste e pelo qual ganhas medalhas, a Federação de Ginástica e o Comité Olímpico não te soube proteger nos orfanatos onde andaste e menos ainda quando foste vítima de violação pelo médico da selecção. Foram anos seguidos. Tu foste o rosto de todo o processo que fez muitas vítimas e apenas se concluiu o ano passado. Therefore, now, fuck them!!

Mesmo assim, tiveste força mental para seguir em frente, sempre. Fizeste lesões no corpo, tiveste uma pedra nos rins e mesmo assim lá foste ganhar medalhas pelo teu país, nas competições mundiais e olímpicas e para puro prazer de um mundo inteiro de queixo caído com a elevação dos teus mortais empranchados que emprancharam as leis da física dos nossos neurónios.

Ainda assististe à não classificação de alguns movimentos pelo grau de dificuldade que tinham que me deixou abismada e a interrogar – “wait, what the fuck?”

É obra miúda. E só tens 24 anos. Até fico com necessidade de internamento só de pensar.

Ninguém mais do que tu queria aquelas medalhas, repito.

Para esse fim deste o teu melhor. Tudo.

Sabias que tinhas a pressão de um país às costas, uma equipa que depende de ti e toda uma expectaviva desumana que não mereces. Foste até ao impossível. Podias ter-te magoado seriamente se não tivesses desistido.

Por isso que ninguém se queixe de agora desistires a meio.

Os truques da mente não escolhem o tempo nem o lugar. Sim, pode ser no meio de um salto de cavalo, entre as paralelas e a trave. Quem não sabe disto é só estúpido e nem aos teus calcanhares te chega, nem em sonhos chegará.

Ou não percebe nada de ginástica, da concentração e do esforço necessário para não saires em voo de um daqueles movimentos que desafiam a gravidade.

Faz o que tens a fazer por ti. Ganhaste a medalha de diamante como ser humano. Poucos te poderão igualar, nos exercícios no solo, no cavalo, nas paralelas, na trave ou sobretudo nesta decisão.

Obrigada pelo ensinamento. Obrigada pelo deleite da tua formidável arte que desempenhaste como a maior de todos os tempos. Godspeed Simone.

The GOAT.

Anabela Ferreira

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *