Israel

Esta criança palestiniana junto dos escombros do que era a sua casa, foi salva e é a única sobrevivente de toda a sua família em Gaza, assassinada pelos bombardeamentos sionistas. Foto de Gh.F.

Esta criança palestiniana junto dos escombros do que era a sua casa, foi salva e é a única sobrevivente de toda a sua família em Gaza, assassinada pelos bombardeamentos sionistas. Foto de Gh.F.

Na minha vida diplomática, dei-me conta de que criticar a acção internacional de Israel obrigava sempre a um “disclaimer”, implícito ou explícito, sem o que se erguia o risco de cair, de imediato, na jurisdição dos atentos polícias do espírito: cuidar em não poder ser acusado de anti-semitismo e nunca deixar de referir que o povo judeu foi vítima da violência nazi.

 A ajudar a este temor reverencial soma-se, desde o primeiro momento, um racismo anti-árabe, que condicionou o discurso popular. Tutelados por regimes retrógrados, embrulhados em panejamentos que os indiciavam noutro patamar da civilização, os árabes são-nos mostrados como uma espécie de bárbaros, apenas desejosos de “deitar os judeus ao mar”. Por isso, e porque não eram aceitáveis os métodos extremistas da Fatah ou o não são os dos vários grupos em que a revolta palestiniana se balcaniza, aos olhos de muito mundo passou a “valer tudo” por parte de Israel, desde os assassinatos da Mossad (“extra-judicial killings”, na linguagem eufemista das Nações Unidas) às incursões sem limite pelas terras vizinhas. Ninguém ousa lembrar que Israel se recusa a cumprir as resoluções que a ONU (já agora, sem oposição dos EUA) aprovou, muito embora se levante um escarcéu se outros países procederem de forma similar (desde logo, o Iraque).

 Durante a “guerra fria”, Israel estava do lado “de cá” e os árabes do “outro lado”, embora se soubesse que as coisas não eram bem assim. Os judeus eram o povo perseguido, rodeado de “facínoras” que aproveitariam o seu menor descuido para o esmagar. Por isso, para o ocidente, era de regra apoiar, sem limites, tudo o que pudesse ser apresentado em favor desse “enclave” não árabe, que “dava jeito” quando era necessário (sem que ninguém tivesse de “sujar as mãos”), por exemplo, para dar uma lição às ambições nucleares iranianas ou ver-se livre de alguns “terroristas”, esquecendo leis. É que, neste “racismo nuclear” que por aí anda, o Irão não pode ter a arma atómica, mas Israel está aparentemente “isento” da observância do Tratado de não-proliferação.

 Os EUA, mobilizados pelo lóbi judaico, neutralizam toda a atitude que possa limitar a liberdade do Estado israelita. A Europa, com o ferrete da guerra a marcar-lhe a memória, vive entre piedosos protestos perante os “exageros” de Telavive e os negócios com a constelação dos governos árabes. Estes, com os conflitos entre si a prevalecerem hoje sobre a sua acrimónia face a Israel, vivem mais preocupados em fazer sobreviver os seus heteróclitos regimes do que se sentem mobilizados para a causa palestiniana.

Francisco Seixas Costa (Embaixador)

Francisco Seixas Costa (Embaixador)

 O absurdo de tudo isto é que, se alguém se atrever a afirmar que Israel tem o indeclinável direito de ver respeitadas as fronteiras que lhe foram consagradas pelas resoluções da ONU, é imediatamente acusado de ser inimigo jurado do Estado judaico. E se ousar dizer que, em troca da segurança desse território, garantida, por exemplo, pela colocação de forças internacionais de paz, protectoras dessas mesmas fronteiras, Israel deve prescindir de quaisquer ambições territoriais e recuar na construção de colonatos em territórios que ninguém reconhece como seus, de imediato fica crismado de anti-israelita, provavelmente de anti-semita e, ainda com alguma probabilidade, sei lá!, de simpatizante nazi. Dei-me conta que não falei de Gaza. Para quê?

Um comentário a “Israel”

  1. Israel diz:

    […] Continua… […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *