George e a Senhora Clooney

“(…) Haverá uma idade para nomes que não estes haverá uma idade para nomes puros nomes que magnetizem constelações puras que façam irromper nos nervos e nos ossos dos amantes inexplicáveis  construções radiosas prontas a circular entre a fuligem de duas bocas puras (…)” (excerto do poema “A Antonin Artaud”, de Mário Cesariny de Vasconcelos)…

Sarilhos do Carilho!

Manuel Maria, o Carilho, gosta de se meter em sarilhos. Infelizmente a justiça, mais propriamente os tribunais portugueses, mais especificamente uma juíza, não facilita as suas aspirações. Carilho, andou anos a preparar a sua entrada numa penitenciaria onde, como pessoa bem informada que é, sabia que os condenados por crimes de violência doméstica (entre outros)…

In dubio pro reo (por Anabela Ferreira)

In dubio pro reo ou um caso da mulher de César – a vítima tem de parecer não apenas ser vitima. Porque razão uma vítima de violência não apresenta queixa do seu agressor? Porque razão uma mulher independente ou não, culta ou não, educada ou não, com família,amigos e autónoma, ou não, não larga o seu…

Os zés de ninguém

Sem surpresas vemos o rosto bruto e feio da natureza humana. A pobreza é um negócio que dá grandes lucros. Os que dela se aproveitam são o seu capital. Por estas simples razões convém tê-la – à pobreza – sempre num palanque elevado. Que o digam os pouco sérios que lucram com os zés-de-ninguém. Os…

“olé,olá jesus cristo é o melhor que há”…

De seitas e cultos Gosto muito da iurd e de outras seitas e cultos do género. Mas gosto mais de vacas. Estas salvam-me e oferecem-me o paraíso na terra sob a forma de queijo e manteiga. Só não gosto de pastores – quando se fazem passar pelo Deus James Brown ao imprimir soul, funky e…

O que fica nos livros

Uma mancha de sangue na página 68, a meio do texto sobre a palavra “vulnerável”, esbatida. Com o tempo, o vermelho foi desaparecendo até se imortalizar numa espécie de bordéus ressequido. Uma pincelada, apenas. Um borrão. Alguém que sangrou do nariz e terá passado um dedo desatento pela leitura? Um espinho de rosa que picou…