Quem precisa de tiranos? (por Anabela Ferreira)

220px-havana_womanVou contar uma história. Um dia na minha vida profissional no turismo fui à Bolsa de Turismo de Londres. Ia representar Moçambique. Concluído que estava o meu trabalho fui visitar stands de países. Fiquei no de Cuba.
Sentei-me ao lado de uma velha preta linda que fazia charutos. O que eu queria era histórias. O que ela queria era alguém que a ouvisse contar histórias. No final ganhei um charuto que me enfiou no bolso sem que ninguém visse. Ainda hoje o guardo algures. Assim como as histórias…
Como é que poderei branquear a imagem de Fidel?
Astuto, inteligente, manipulador, como qualquer bom tirano que se preze (de repente lembrei-me de Salazar) morreu com as mãos manchadas de sangue. Isso para mim é sinónimo de tirania.
Salazar deixou um país de miseráveis com fome e analfabetos. Fidel deu ao seu povo a capacidade de ler e estudar e um pão racionado.
Dominou quase eternamente pelo medo/terror. Fuzilando, prendendo, mandando gente para campos de “reeducação.
Como Salazar e outros tiranos.
Sobreviveu politicamente no poder, a dez presidentes americanos eleitos democraticamente (todos eles obstinados e obtusos tiranos na decisão de manter um embargo que afectava milhões de vidas apenas com a visão tirana de querer dominar o mundo), mas sem que daí viesse liberdade para o seu povo. Como Salazar.
Como não lhes chamar tiranos?
Compreendo África e os muitos movimentos de libertação das potências coloniais (entre elas a de Salazar) que muito devem a Fidel, aos milhares de militares, médicos, professores que enviou para combater o imperialismo. Porém África, hoje, com todos os tiranos africanos que teve e tem, depois de ver mortos os homens que fizeram as revoluções, também não está melhor.
Tem fome, miséria e falta-lhe paz.
Fidel sobreviveu a todos os atentados à sua vida e tiranizou Cuba. Pergunte-se a quem se atirou para dentro das balsas como o fazem hoje os que se atiram ao Mediterrâneo.
A tirania teria sido o caminho de Amílcar Cabral? Não me parece. Teria sido esse o caminho de Eduardo Mondlane? Não me parece. Foi esse o caminho de Mandela?
Cuba tem fome de liberdade e de crescimento. Porque Fidel a enclausurou ganhando um demónio a quem culpar. Porque o poder tem um cheiro demasiado saboroso. Cheira a rumba com rum, acompanhado de Habanos e isso é bom demais.
E se tivesse dado pão, educação, consciência e liberdade?
Pergunte-se a quem se atirou para dentro das balsas como o fazem hoje os que se atiram ao Mediterrâneo. Pergunte-se aos mortos.
Pensemos as revoluções. A França depois da sua arranjou um Napoleão. Cuba, China, Russia, Angola, Guiné-Bissau …Os exemplos sucedem-se. Basta pegar num mapa-mundo.
Por isso gosto de olhar e aprender para lá das conquistas das revoluções.
Concluo com a História que tiranos substituem tiranos. Sejam homens sejam sistemas terminados em “ismo”.
Neste momento tudo o que o mundo precisa é de novas revoluções. Nos velhos nomes dessas coisas todas que os revolucionários (eu incluída) apregoam na praça: paz, liberdade e pão. E já agora fazendo o favor, Educação, justiça, oportunidades iguais para que cada um possa florescer em vidas dignas. Isso é que seria uma revolução socialista seja lá o que isso for.
Sem tiranias, nem tiranos. Nem donos, nem amos.
Que mal pergunte, alguém precisa deles?
Em teu nome velha preta linda certamente sobrevivida por Fidel, revolucionário tirano.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *