O Segredo dos Deuses – Os culpados

Repetidamente, em várias sedes, tenho comentado que o trabalho realizado pela Alexandra Borges e pela Judite França para a TVI, a que deram o nome O Segredo dos Deuses, é um trabalho excelente, oportuno e necessário, um trabalho que não me canso de elogiar e de dar os parabéns às suas autoras. Apenas lamento que tenham ocorrido as situações por elas investigadas e relatadas. Seria muito melhor não terem ocorrido e, por consequência, nem sequer existir fundamento para este trabalho de investigação jornalística.

Os 10 episódios dos Segredos dos Deuses, em conjunto com os debates e entrevistas que têm sido realizados na TVI revelam uma realidade monstruosa, assustadora. Uma total negligência, incompetência, porque não afirmar sem receio das palavras, uma postura criminosa por parte dos poderes públicos, judiciais e sociais. Os relatos e as provas reunidas por Alexandra Borges e Judite França são avassaladoras deviam, desde o primeiro minuto, ter dado origem a uma enorme indignação, a um forte posicionamento politico e social, a uma rigorosa investigação, à tomada de posições que inviabilizassem que situações como esta se pudesse repetir.

Não se trata de, nem neste momento isso é importante, saber se os crimes que foram cometidos já prescreveram ou não, se ainda é possível ou não julgar e condenar os culpados. Trata-se, isso sim, duas décadas passadas, de fazer justiça mesmo que seja uma justiça moral caso já não seja possível aplicar a justiça dos tribunais.

É ensurdecedor o silêncio politico, judicial e social à volta deste assunto. É preocupante ver o presidente da república, aquele que parece ter o telemóvel ligado à central dos bombeiros para ser o primeiro a chegar aos locais dos acidentes para distribuir beijos, abraços e selfies, é preocupante vê-lo a receber mães a quem foram roubados os filhos e, simultaneamente, branquear a agenda oficial para que a audiência que existiu passe a não ter existido.

É terrível ver uma comunicação social, a mesma que acampa à porta de juízes para ver magistrados a vasculhar varandas, a mesma comunicação social que directos de funerais e enquadra reportagens com cadáveres, a mesma comunicação social que não tem pudor, também em directo, de fazer perguntas tristes a uma mãe vitima de violência doméstica à frente dos seus filhos menores. É esta mesma comunicação social adepta do sensacionalismo e da intriga que se acobarda e é cúmplice com o seu silêncio dos crimes do biltre, perdão do bispo Edir Macedo e dos seus capangas, perdão dos seus acólitos.

Que estranhos poderes terá esta associação criminosa, perdão esta igreja, chamada IURD para garantir todos estes silêncios?

Que razões podem ter os políticos, os tribunais, a comunicação social e restante sociedade para compactuar com silêncios, encobrimentos e com as tentativas de censura por parte desta gente?

Talvez seja interessante ir à origem e confrontar os responsáveis políticos, judicias e outros que há época tinham o poder nas diversas instituições envolvidas. Talvez seja através da pública responsabilização desses que se possa dar o empurrão necessário para que o silêncio dos Deuses deixe de ser silencioso e ignorado. Com uma única excepção, todos estes responsáveis destas instituições ainda são vivos, a sua grande maioria continua a ter actividade pública e não podem, nem devem, passar ao lado da responsabilidade que tiveram à época nas funções que desempenharam como se nada tivesse acontecido e como se não tivessem responsabilidades no que aconteceu. A responsabilidade é sempre, em primeiro lugar, do líder pelo menos até serem apuradas outras responsabilidades, como aparenta que não há interesse nem por parte do poder politico, nem por parte do poder judicial, nem por parte dos políticos resta chamar os bois pelos nomes e nomear, até prova em contrário, os responsáveis pelo roubo das crianças a estas mães.

São eles os primeiros-ministros, os ministros da justiça, os ministros com tutela da segurança social, os procuradores gerais da república e os provedores da Santa Casa.

Esta é a lista dos culpados:

  • Aníbal Cavaco Silva (primeiro-ministro)
  • José Falcão e Cunha (ministro com tutela da segurança social)
  • Álvaro Laborinho Lúcio (ministro da justiça)
  • António Guterres (primeiro-ministro)
  • Eduardo Ferro Rodrigues (ministro com tutela da segurança social)
  • Paulo Pedroso (ministro com tutela da segurança social)
  • José Vera Jardim (ministro da justiça)
  • António Costa (ministro da justiça)
  • José Manuel Durão Barroso (primeiro-ministro)
  • António Bagão Felix (ministro com tutela da segurança social)
  • Celeste Cardona (ministra da justiça)
  • José Cunha Rodrigues (procurador geral da república)
  • José Souto Moura (procurador geral da república)
  • Joana Marques Vidal (actual procuradora geral da república responsável do MP no tribunal à data dos factos)
  • Maria do Carmo Sacadura Santos (provedora da SCML)
  • Gertrudes Loureiro Jorge (provedora da SCML)
  • Maria José Nogueira Pinto (provedora da SCML)
  • Rui António Ferreira da Cunha (provedor da SCML)

Esta é a lista e estes são os nomes daqueles que devem, imediatamente, ser questionados sobre os crimes que foram cometidos e atribuindo-lhes as responsabilidades que devem assumir pelas funções que desempenhavam. Questionando estes pode ser que se comece a levantar o véu até chegar aos efectivos culpados. Porque se há, seguramente culpados destes crimes também há, não podemos ignorar outros que não sendo culpados materiais são, no mínimo, responsáveis  e como responsáveis que eram pelas instituições que tutelavam devem assumir essa responsabilidade.

Jacinto Furtado

3 comentários a “O Segredo dos Deuses – Os culpados”

  1. Fernando Aguiar diz:

    Mas que grande desafio aos governantes deste país. Saiam da toca e comecem a desculpar-se. Bem dito Jacinto Furtado.
    Deus abençoe a Nação Portuguesa e faça justiça mesmo que isso venha contra o atual Presidente da República e o Primeiro Ministro que mostram que na altura também fizeram parte no roubo das crianças. Tal è o ladrão que vai à horta como o que fica à porta.

  2. Isabel Cardoso diz:

    Parabéns pelo comentário.DEUS AJUDE, que justiça seja feita,a estas famílias que tiveram seus filhos roubados.

  3. Maria Graça Botelho Meneses diz:

    Excelente! Obrigada

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *