Semelhanças entre paradoxos

“Falem mal de mim, mas falem”. Este é o desejo íntimo de qualquer narcisista. E ao falarmos estamos a dar-lhe publicidade, dizem também. Se não falarmos estamos a deixar que serpentes saiam silenciosamente do ovo e tomem conta do terreno, dizendo que tudo é “noticias falsas”. Opto por falar. Dou prazer ao narciso – regra geral é psicopata e nem sente qualquer remorso ou vergonha – e enquanto se olha ao espelho e glorifica vou colocando minas no terreno. Desta maneira não conseguirá o narciso enganar todos ao mesmo tempo. É o que está a acontecer. Tanta gente tem minado os dois terreno que as serpentes – apesar de se adorarem ver ao espelho – começam a sentir as forças telúricas em movimento.

Trump queria secar o pântano da corrupção. Apenas desviou o dreno de um lugar para outro indo parar ao mesmo (os donos daquilo tudo e do dinheiro).
Agora a América está a pagar caro ter desvalorizado aquela candidatura (do populista, ignorante, violento,misógino, racista, homofóbico, inculto e corrupto) que recebeu apoio dos que se sentiam – e foram – esquecidos.
Recebeu apoio dos evangelistas e igrejas cristãs que têm e manipulam outra forma de poder mergulhado no mesmo pântano. Recebeu o apoio dos privilegiados.

Bolsonaro é a face do mesmo espelho. A serpente de um ovo gémeo. Repete a ladainha. E recebe agora apoio da iurd. A serpente de outro ovo gémeo. Sempre pronta a aparecer porque nunca deixa de ser nutrida por quem é dona disto tudo.
Só por este detalhe (os brasileiros são mais religiosos que deus me livre…porque a educação não chega a todos) me faria estar em estado de alerta vermelho. Neste momento basta-me pensar no que aconteceu na Alemanha em 1933.

Que paraíso terá Trump (os donos dele) no Brasil se ganhar o salnorabo. Que embuste para com os brasileiros. Quanto perigo. Que pesadelo para o mundo.
Resta-me de facto desejar com muita força que não aconteça aquilo que aconteceu há dois anos num lugar da terra pouco acima do Brasil.
Resta-me rezar para que um povo que não quer mais corrupção nem mais pântano – com toda a razão – veja os exemplos, estude, use o espírito crítico.
Sair do pântano não será com este homem falso,ignorante e perigoso – como um psicopata narcísico – que diz pretender também drenar pântanos. Ele quer – como o vizinho de cima – apenas desviá-los para os escoar nos seus próprios obscuros e sinistros interesses. Não se iludam!
Isto não é óbvio? Mas o burro serei eu?

Sou pobre e tenho que batalhar para sobreviver e pagar as contas mas sei de certeza que não voto nem apoio o dono que me faz e quer a dormir na rua. Percebo os esquecidos, os que sofrem do mesmo mal que eu – foram atirados para a sarjeta e vêem os nababos em orgias opulentas (como no Império Romano). Mas eu nunca votaria em Nero. Por instinto de sobrevivência não acreditaria em falsos profetas, ou donos de nenhuma moral e ética.
Chega de facto, de serpentes e embustes.De corrupção e de pântanos. De falta de moral e ética. Está na hora de gente nos quadrantes opostos mandar nisto. Cá, lá e por aí.

Pelo que vou lendo (e me orgulho) estão a ser as mulheres a grande força de mudança. Em números incríveis. Uma arma massiva contra ele (e o outro). Quem sabe serão elas – nos dois hemisférios do mesmo continente – a quebrar o enguiço deste medonho momento histórico de cães amestrados, imbecis e apáticos a seguir e a lamber os cús dos donos que lhes dão porrada.
Em nome de tantas mulheres que conseguiram que as mulheres chegassem à rua e ao voto. Em nome das que morreram em nome da paz e da igualdade de direitos, já chega! Mas #elenão#Elenunca.

Espero que o Brasil mostre que possui uma arma de construção maciça para o futuro em paz e abundância e de destruição maciça do sistema fascista que serpentes narcisistas querem de novo agarrar.

   Anabela Ferreira

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *