Uns e outros (por Anabela Ferreira)

Privatizem-me. Por favor. Deixem-me em paz. Não sou o vosso talher, nem a vossa vitamina. Se não me privatizam vou continuar a ser a vossa mina anti-pessoal. Dá-me paz interior. Deixem de contar comigo como cidadã para pagar impostos e taxinhas, já inscritas na minha caderneta, para vos satisfazer as necessidades predatórias, até aos 104…

O novo, o mau e o vilão… (por Dino Barbosa)

Ouvir o anúncio do Novo Banco é um exercício de paciência pouco recomendável. «Se passar por um dos balcões do N.B. que já mudaram, vai ver que temos uma nova imagem. O que não vai conseguir ver é o que está cá dentro»… Bem, até aqui, estamos de acordo. Aliás, ao que parece, nem o…