Teorema de Pitágoras – O fim dos duodécimos

“O quadrado da hipotenusa é igual a soma do quadrado dos catetos”

Por proposta do PCP, com os votos favoráveis do PS, BE e CDS foi aprovado no parlamento, a casa do povo, o fim do pagamento de 50% do subsidio de férias e 50% do subsidio de natal em duodécimos.

É um facto que no global, ou seja, somados todos os valores recebidos, no final do ano o resultado vai ser o mesmo. Não há decréscimo no rendimento total. O que já não é verdade é que não exista decréscimo no rendimento disponível. É aqui que a coisa se complica, no final do mês, no mínimo, os trabalhadores vão ter disponível menos 50 euros.

Há duas leituras possíveis para ter sido o PCP a propor esta medida orçamental, ambas são preocupantes, de facto ambas são muito preocupantes.

Ou os deputados do PCP sofrem de um desfasamento entre a realidade do país e das condições socioeconómicas da esmagadora maioria dos portugueses, sendo que esta versão é assustadora por ser protagonizada por aqueles que foram eleitos para representar o povo, com a agravante da proposta nascer precisamente do lado daqueles que se auguram os defensores incontestáveis do mais desfavorecidos e menos protegidos da sociedade.

Outra hipótese, bem mais desconfortável, será o facto de se poder antever um enorme desconforto social com a quebra de rendimento disponível, desconforto que poderia vir a beneficiar o PCP, permitindo-lhe fazer uso da sua especialidade, ganhar nas ruas o que não tem capacidade para ganhar nas urnas.

Não ficaria muito surpreendido se fosse esta a razão para tamanho disparate e atentado às famílias portuguesas. Seria de esperar outra coisa dum partido que silencia dando, com o seu silêncio, apoio ao que se passa na Venezuela e na Coreia do Norte?

Tempos atrás, numa intervenção que fiz numa conferência disse que não podíamos silenciar as ditaduras que se viviam na Venezuela e na Coreia do Norte, silenciando com isso também as mais elementares violações dos direitos humanos. No final veio ter comigo uma militante comunista que me disse ipsis verbis:

“Não podia ter dito o que disse, como é que lhe passa pela cabeça afirmar que na Venezuela e na Coreia há uma ditadura? Na Venuzuela isso não é verdade e em relação à Coreia não temos informação que nos permita concluir que não é uma democracia”,

Obviamente podia ter respondido à jovem militante que ela própria estava a dar-me argumentos para eu poder afirmar o que tinha afirmado, pela simples razão da defesa que ela faz, do regime da sua estimada Coreia, ser baseada na ausência de informação isso, por si só, já era sintomático de algo.

No entanto, se algo aprendi ao longo dos tempos, é que não se discute com fundamentalistas. São inconvertíveis por sugestão, alguns consegue ver a luz, anos mais tarde.

A proposta de eliminar o pagamento em duodécimos, ainda por cima, tendo sido proposta pelos deputados do PCP, secundados pelos deputados do PS, BE e CDS, revela o desfasamento e o absoluto desconhecimento da realidade do povo que dizem defender e representar.

Talvez os senhores deputados não saibam, ou não tenham conhecimento, fora das paredes do parlamento há toda uma vida, há todo um conjunto de pessoas que vivem com dificuldade, pessoas que não auferem vencimentos de deputados.

O povinho em geral, aqueles que têm o “azar” de ter um vencimento ligeiramente acima do salário mínimo nacional, estes em particular, não são aumentados há anos. No entanto a ausência de aumentos não implicou um congelamento da inflacção, nem sequer dos impostos indirectos. Tanto a inflacção como os impostos indirectos continuaram a aumentar

Para os deputados que propuseram e para os que aprovaram esta medida “O quadrado da hipotenusa é igual a soma do quadrado dos catetos” mas não é!

Quem tem rendimentos mais baixos, especialmente quem tem rendimentos mais baixos, qualquer diferença no final do mês pode ser a diferença entre pagar as contas ou por comer na mesa. O argumento que no final do ano o resultado é igual não colhe, pela simples razão que na mercearia, na empresa de electricidade ou nas empresas municipais de água não aceitam como pagamento a explicação de que, “hoje não tenho dinheiro para pagar mas vou receber 100% de subsidio de férias e 100% de subsidio de natal”.

Esta manhã ouvi a noticia de que o pão vai aumentar em 2018, não vai ser um aumento qualquer, será um aumento na casa dos 20%, por outro lado, com os cumprimentos do PCP, PS, BE e CDS o rendimento disponível ao fim do mês, fruto do fim do pagamento de 50% dos subsídios em duodécimos irá cair 7%.

Atrás do aumento já anunciado do pão outros virão pelo que, é fácil de antever as dificuldades acrescidas que os deputados do PCP, PS, BE e CDS brindaram os portugueses como prenda de Natal antecipada.

Não será necessário acrescentar mais para se entender que esta medida é, no essencial, um atentado ás famílias e aos portugueses de menores rendimentos.

Senhores deputados do PCP, PS, BE e CDS, para aqueles que têm dificuldade em comer todos os dias  O quadrado da hipotenusa NÃO é igual a soma do quadrado dos catetos!

Jacinto Furtado

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *