Um dia seremos todos robôts?

Sou uma aranha e tenho um plano

construir uma teia

sou uma arquitecta e planifico uma casa inteligente

estudo e desenho

passo a passo construo a minha ideia

escrevo o guião

este é o principio da ficção

Este é um conto de ficção científica. Podia ser chamado “1984” e ter sido escrito por George Orwell. Foi antevisto.

 Este conto teve a sua ante-estreia no livro, está vivo. Está a acontecer. 

Somos vigiados,controlados,apertados até sermos um. Com a Inteligência Artificial. Destruído o pensamento que nos

 torna cada um, ser único, para sermos um robôt destituídos de emoções – o que no liga como humanos.

Quem nunca ouviu a teoria – e a prática – de que como experiência humana somos uma forma avançada de energia?

 Somos consciência? E quando acabarmos, não voltamos ao pó, voltamos a ser pó. Transformamo-nos de novo em energia. Regressamos ao todo. À consciência. 

Ou, seremos reduzidos a peças de uma máquina?

A teia desenvolve-se…

Certamente já pensaram ir de férias ao fim do mundo, fizeram uma pesquisa e vindo do nada – no facebook – aparecem-vos

 imagens publicitárias do glaciar Perito Moreno? Assustador não?

Ao iphone falam ao Manel sobre esta viagem, com a vossa amiga Catarina. Do nada, ao Manel aparece a amiga Catarina,

 na lista de sugestão de amizades. Arrepiante não é? 

Ao google pedem uma indicação, uma recomendação de voz e a gravação é ouvida e registada. O quê?

Fazem uma pesquisa sobre viagra e do nada aparecem-vos sugestões de comprimidos para melhorar o desempenho sexual.

 Filme de terror não é? São centenas de exemplos não são?

Bem, talvez não te incomode e nem lhe dês significado. Comecei por pensar assim. Mas como sempre utilizo a minha

 inteligência real com as perguntas, espera aí… o quê? O que é isto?

E isto é…o algoritmo da Inteligência Artificial.

Um robot que censura,controla e sugere até sermos um?

Deveríamos todos estar muito vigilantes.

Parece que o que veio para servir o melhor interesse da humanidade está apenas a servir-se de nós fazendo-nos cair

 numa teia? Um cavalo de Tróia?

Como fazem os governos deste sistema descontroladamente totalitário.

1984 lembram-se? Ou “Um admirável mundo novo”. Distopias urdidas para serem experimentadas neste curto trânsito

 da humanidade neste planeta de experimentações? 

Um dia chegará em que pensaremos e falaremos através da ligação que teremos a um robôt?

A censura, o apertar do pensamento já não são ficção. A manipulação para silenciar qualquer forma de pensamento

 diferenciado é parte do dia-a-dia.

Ao controlo do pensamento, seguir-se-à o controlo do comportamento?

Será este o plano da aranha, arquitecta de um sonho distópico, irreal, psicopata e psicótico?

Anabela Ferreira

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *