Vamos chamar os bois pelo nome… Crimes de peculato na PSP! (por Jacinto Furtado)

pspO Noticias Online publicou hoje um texto de autoria do jornalista Carlos Tomás, por quem tenho uma enorme estima e consideração, intitulado PSP “Abuso de poder, incompetência ou…?”. O Carlos ainda é dos poucos jornalistas que vai chamando os bois pelo nome. Embora recomende a leitura da experiência na primeira pessoa tenho de resumir a situação para poder continuar este texto.

Na passada segunda-feira o Carlos regressava a casa, após fechar a edição do “Correio de Sintra”, quando viu um carro patrulha da PSP estacionado de forma pouco convencional em frente a um bar de alterne. Resolveu espreitar e deparou-se com os agentes no papel de clientes do espaço. Como é Carnaval ninguém leva a mal.

Sai, tira fotos ao carro e começa o corso carnavalesco que no total envolve 5 policias. Bem pouco em minha opinião, afinal perante o perigoso jornalista devia ter sido chamado o corpo de intervenção. Adiante, resumindo ainda mais, a noite do Carlos termina na esquadra já o sol estava a nascer.

Deixemos agora o Carlos e a sua experiência pessoal, para melhor entenderem leiam o texto dele. Vamos ver isto por outro prisma, um primas distinto da clara violação dos direitos, liberdades e garantias dum cidadão enquanto tal e dum jornalista no exercício da sua profissão.

Há agentes da PSP que em serviço são clientes habituais de bares de alterne, “vão lá beber uns copos e “conviver” com as meninas”?

Há agentes da PSP que usam as viaturas da corporação para irem a bares de alterne “beber uns copos e “conviver” com as meninas”?

Há agentes da PSP que quando são apanhados com a boca na botija. Atenção que não sei onde eles estavam com a boca, “vão lá beber uns copos e “conviver” com as meninas”. Há agentes que quando são apanhados apertam os calos ao cidadão?

A sério?

Estamos em Portugal?

Isto passa-se em Portugal?

Por outro lado, a PSP tem muita gente decente, esforçada e cumpridora nos seus quadros, conheço muitos, felizmente a grande maioria. Então e esta grande maioria fica silenciosa, não denuncia os prevaricadores?

Caso não saibam o vosso silêncio deixa-vos exactamente na mesma que os vossos colegas com uma enorme diferença, não gozam nada, não “vão lá beber uns copos e “conviver” com as meninas”. Mas diz o Povo e com razão, tão ladrão é o que vai à horta, como o que fica à porta.

Ora assim de repente, salvo melhor e douta opinião (estou certo que vai aparecer) estamos perante três situações distintas:

  • Abuso de poder (o aperto aos calos do cidadão), carece de queixa, caso o lesado esteja para aí virado, consequente inquérito e processo disciplinar;
  • Violação das regras de conduta e função, carece de participação e consequente processo disciplinar;
  • Peculato de uso. Aqui é que a porca torce o rabo, a utilização duma viatura da PSP para fins particulares é peculato de uso, está tipificado como crime público, não carece de queixa, nem de participação, nem de nada. Basta ter conhecimento.

O conhecimento está dado através do texto do Carlos… E agora?

Eu até sei que há Procuradores do MP a seguirem atentamente o Noticias Online, como é senhores procuradores, querem uma vassoura para varrer para debaixo do tapete ou, como compete, vão tratar do assunto?

Entretanto espero e gostava de ver um trabalho do Carlos Tomás sobre as acusações que são feitas no final do seu texto!

Vamos chamar os bois pelo nome… Quando a impunidade é palavra de ordem, quando a falta de dignidade é a regra estamos condenados e vão deixar condenadas as gerações futuras.

15 comentários a “Vamos chamar os bois pelo nome… Crimes de peculato na PSP! (por Jacinto Furtado)”

  1. Joao Pereira diz:

    Depois de ler os comentarios fiquei ciente do seguinte:
    As pessoas ainda se surpreendem com este tipo de accoes? Nao e nem sera a primeira ou ultima vez que acontece, ha ja muito que a policia vai malhando no cidadao que se atreve a ver o que de errado esta com esta forca.
    Podia dar uma serie de exemplos que de nada me serviriam, pois nao acredito minimamente que venha alterar coisa alguma com eles. Vou ficar por dizer que os “testes” de entrada para a policia sao incapazes que as pessoas que (nos defendem) tem o profile certo para faze-lo, e que enquanto assim for sinceramente ter um policia ou um “gajo” qualquer a fazer esse servico vai dar ao mesmo!! Quer as pessoas aceitem ou nao este facto.
    Quanto as pessoas que comentaram aqui a favor destes chamados policias, desejo que tenham uma vida longa meus amigos pois acredito que situacoes comuns com a policia sao uma ocorrencia normal e que mais tarde ou mais cedo algo vos ha de cair no prato, e pelos comentarios feitos que tenham um prato bem cheio e que o tenham que engolir tambem como o resto dos demais!
    WAKE UP! Existem alguns policias que nao sao assim, verdade. Mas nao sao nem de perto nem de longe a maioria senhores. Aos que nao querem acreditar, ninguem e mais cego do que aquele que nao quer ver, basta olharem ha vossa volta com os olhos abertos, mesmo o cidadao que nada tem a temer por nada ter feito de incorrecto se tenta manter o mais “afastado” possivel destes individuos, ate as criancas sabem chamar a policia de “bofia”. Vao la fora ver os paises onde a policia tem boa reputacao, onde o policia e visto e dito como uma forca positiva na vida do comum cidadao. Pena tenho que existam tao poucos bons policias no nosso pais, pois acredito que se fossem mais estas e outras situacoes seriam condenadas directamente pelas forcas policiais e nao defendidas em nome de uma “camisola” que grande parte da populacao ve com maus olhos.
    Com grande tristeza digo, o povo nao pode mudar esta situacao, e ha politica nao lhe da jeito…resta-me esperar que algures nos proximos 50 anos um Grande policia venha para mudar isso, se existe alguem que precisa de um heroi que se ergua acima da merda que escorre pelas ruas esse alguem chama-se Portugal.

  2. João diz:

    Simplesmente abuso de autoridade como TODOS os portugueses sabem muito bem q isto e uma acção normal da polícia portuguesa agora vamos ver se a dita justiça existe ou e só para o pobre q rouba um pão para comer 😉

  3. tiago diz:

    Isto cahma-se sensacionalismo de opinião e NAO JORNALISMO!
    1º Ponto peculato o tanas se os agentes estão de serviço!
    2º ponto de certeza que a viatura da psp nao esta mal estacionada. 3º ponto ela encontra-se onde esta porque os agentes nada teem a esconder.
    4º ponto o senhor alcolizado a capturar imagens de agentes(cidadãos) sem sua autorização…cheira me a crime.
    e o atentado ao bom nome(difamação) caso o senhor e os senhores que nada viram e veem para a internet(comunicação social) tomar como certo e continuar a difamar os elementos em questão.
    è provar caro jornalista tendencioso e parcialista…jornalismo não é comentário de opinião.

    • Reinaldo diz:

      Concordo com tudo o que escreveu, excepto num ponto: Isto não é sensacionalismo de opinião… isto é pura DIFAMAÇÃO !

    • Augusto diz:

      Certamente não frequenta esta zona porque é muito frequente ver os carros da polícia (que segundo a chefia tanta falta fazem) parados à porta de bares ou cafés estando todos os ocupantes a beber ou mais frequentemente a ver na TV um desafio de futebol. Vc com certeza que é colega deles para defender uma coisa que é indefensável para quem assiste a este tipo de espectáculo quase diáriamente… Também já vi um carro da Escola segura, durante o dia, parado, longe de qualquer escola estando o condutor a proceder a uma autuação de trânsito.

    • Pedro diz:

      Se para um agente da Polícia de Segurança Pública “estar de serviço” inclui/dá acesso a bares de alterne a minha candidatura à academia segue já amanhã. Não sou nem ambiciono ser jornalista, sou sim um ser humano perfeitamente funcional e como tal vejo no sentido literal da palavra e tenho o direito a formular os meus próprios juízos de valor e transmitir a minha opinião relativamente às minhas experiências (se chama a isso de sensacionalismo deveria rever o verdadeiro sentido da palavra). Esta história não me surpreende de forma alguma, até porque eu como jovem que gosta de socializar e que frequenta espaços nocturnos ocasionalmente cruzo-me bastantes vezes com os Exmos Srs agentes da lei. As três primeiras experiências das quais me recordo são:

      -Uma noite normalíssima na marina de vilamoura no passado verão, a beber uma cerveja com os meus amigos ao lado da esplanada do bar onde as tínhamos adquirido, quando somos abordados por 5 agentes, que sem rodeios nem saudações me apontaram o dedo e disseram num tom ameaçador “Tu, identificação!”. Eu naturalmente incomodado com a abordagem e sem compreender o porquê da mesma encolhi os ombros e demonstrei o meu aborrecimento, sem abrir a boca. Quando ia a tirar a carteira do bolso levei o maior empurrão de toda a minha vida e fui “rebocado” no meio da multidão para um beco mais escuro onde me ameaçaram de morte porque eu, alegadamente, “estava a dar para espertinho” – assim que invoquei o poder monetário e o fácil acesso a advogados da minha família, e se o fiz foi porque realmente temi pela minha integridade física, não é algo que eu gosto de abordar nem demonstrar, pediram-me desculpa e foram-se embora; (história verídica sem tirar nem por, acredita quem quer)

      -Muito resumidamente a segunda experiência que recordo é de ter visto um polícia a meter droga dentro do carro de um amigo meu. Porquê? Porque ele é preto, e o agente que o abordou era racista (foi o seu colega que nos disse isso logo após de se desculpar pelas atitudes do seu parceiro). Mais uma vez – história verídica, acredita quem quer.

      -Por último, uma história que não presenciei mas na qual acredito por me ter sido contada na primeira pessoa e por confiar nos intervenientes. 3 amigos meus a passear na marina de albufeira há dois Verões atrás, levavam bebidas em garrafas de plástico com eles. Foram abordados por 4 agentes, situação semelhante à primeira situação relatada, mas os meu amigos por se encontrarem, digamos, desinibidos, questionaram várias vezes a razão daquela abordagem e o porquê da mesma, até que um deles se recusou a mostrar o seu cartão de cidadão. Atitude errada, tanto eu como eles o sabemos reconhecer, mas a reacção por parte das forças da lei foi bem pior. De seguida foram os três levados para uma praia próxima, cujo nome não me recordo, espancados e abandonados, ficando os três ali estendidos e a sangrar até arranjarem forças para se levantarem.

      E agora eu pergunto, porquê? Será que esta gente é tão burra que precisa de usar a força para se afirmar e sentir bem? Será que o crachá e as armas que carregam nos seus coldres lhes conferem uma sensação de poder infinito que os tiram de si? É para isto que os meus pais pagam carradas de impostos?
      Esta gente tem o dever de SERVIR o povo português, onde eu e os meus amigos nos inserimos, protegendo-nos dos criminosos! Espancar putos não é serviço que se apresente! Felizmente, friso, estes casos representam a minoria, julgo/espero eu.

      Um grande obrigado a todos os polícias que arriscam todos os dias a sua vida para servir a população portuguesa salvando vidas a inocentes e metendo os criminosos a pagarem pelos seus erros, um grande chupem-me a pil* aos que andam a brincar aos cowboys.

      Saudações e parabéns pela paciência de ler este testamento na íntegra

  4. PPoeira diz:

    Não me diga que eles já aprenderam com a AR?

  5. Pedro Teixeira diz:

    Estão a confundir liberdade de expressão com liberdade de difamação. São acusações graves e gostava que fossem processados por isso. Só porque um é amigo do outro e diz que tem consideração, não pode fazer estas acusações sem provas. Que péssima imagem estão a dar como cidadãos !

  6. José Augusto diz:

    Crime ???? Foi dada alguma sentença pelo Tribunal ? Foram ouvidas todas as partes ? Mas que palhaçada é esta ?

    • Jacinto Furtado diz:

      Não vale a pena inventar nomes se é sempre a mesma pessoa, a cobardia é tramada Sr. IP 95.93.193.221.

  7. Muttley diz:

    Este artigo tem de dar direito a um processo de difamação…. A carteira de Jornalista tirada na Rádio Horizonte não permite estas coisas…

    • Jacinto Furtado diz:

      Não vale a pena inventar nomes se é sempre a mesma pessoa, a cobardia é tramada Sr. IP 95.93.193.221.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *