A propósito do 25 de Abril, quase cinco décadas depois

No final do dia 25 de Abril de 1974 tombou o governo de Marcelo Caetano e, com ele, um regime fascista que durara 48 anos. Foram, e são, por isso perfeitamente compreensíveis quer as manifestações populares de júbilo que nesse dia estalaram por todo o País, quer as celebrações, até hoje, dessa data histórica.

Porém, quando olhamos para o estado a que isto chegou 48 anos após a queda do fascismo, creio ser imprescindível que tenhamos presentes os ensinamentos que podemos, e devemos, retirar de toda essa experiência acumulada de cerca de meio século.

E o primeiro desses ensinamentos é o do papel absolutamente relevante desempenhado pelo povo português que, recorde-se, desobedeceu às primeiras indicações e determinações do Movimento das Forças Armadas para ficar em casa e aí aguardar tranquilamente o decurso dos acontecimentos, antes vindo em massa para a rua. O seu papel foi primordial no desfecho das próprias operações militares, no cerco (e posterior rendição) da sede da Pide (o único objectivo do golpe militar que não fora cumprido e sem um “plano B” para garantir de imediato a sua tomada), na prisão dos esbirros da polícia política, na imposição da libertação de todos (sem qualquer excepção) os presos políticos anti-fascistas, e no desenvolver de uma caminhada visando tomar nas próprias mãos a construção de uma sociedade verdadeiramente nova e de um mundo melhor, nomeadamente com a ocupação das casas devolutas e das terras abandonadas para as entregar a quem delas necessitava para viver, e com a constituição de comissões de moradores, de trabalhadores, de defensores do ambiente, de pais, de alunos, em suma de todos os elementos do Povo, para democraticamente debaterem os seus problemas e decidirem a respectiva resolução. 

O segundo desses ensinamento é o da situação a que conduziu o desviar dessa fervilhante e generosa corrente revolucionária, levado a cabo por todos aqueles que, dizendo-se defensores, amigos e até representantes dos trabalhadores, os convenceram de que construir a sociedade sem opressão nem exploração a que eles justamente aspiravam era afinal algo que se poderia alcançar mantendo perfeitamente intacto o aparelho de Estado burguês e tão somente substituindo os seus antigos dirigentes e gestores por novos personagens de cravo vermelho ao peito. 

Hoje, quando muitos se apercebem de que era mesmo necessário “ter ido mais longe” – repetindo, aliás e muito frequentemente, que “é preciso um novo 25 de Abril” – é então imprescindível não esquecer onde conduziram essas ilusões reformistas e a preservação do essencial da sociedade capitalista que elas permitiram.

Por fim, o terceiro ensinamento é o de que não ter adequadamente preservado a memória daquilo que eram verdadeiramente os tempos de repressão, de atraso, de fome, de miséria e de guerra do regime de antes do 25 de Abril (permitindo assim as mistificações e as falsidades dos “salvadores da Pátria” dos tempos modernos), e ter, com o mais nauseabundo dos oportunismos (ainda que envernizado como “pragmatismo” e “modernidade”), abandonado sucessivamente os princípios e as causas mais justas (que sempre foram apanágio da verdadeira Esquerda, como a preocupação com e a defesa dos mais fracos, dos mais velhos, dos mais pobres, dos mais doentes e dos mais vulneráveis, e bem assim a luta contra todas as formas de injustiça e de abuso e a exigência da permanente prestação de contas pelos titulares de cargos públicos), é o que tem conduzido a que os admiradores do antes do 25 de Abril tenham hoje: 12 dos 230 deputados do Parlamento português, mais de 41% dos votos nas eleições presidenciais francesas, 15% dos deputados do Bundestag alemão, 13% dos parlamentos holandês e sueco e até que se tenham instalado no Poder em países como a Hungria!…

Nunca foi, por isso, tão actual o notável poema de Vinicius de Moraes, “Operário em construção”, de que transcrevo este trecho:

(…) 

Sentindo que a violência 

Não dobraria o operário 

Um dia tentou o patrão 

Dobrá-lo de modo vário. 

De sorte que o foi levando 

Ao alto da construção 

E num momento de tempo 

Mostrou-lhe toda a região 

E apontando-a ao operário 

Fez-lhe esta declaração: 

– Dar-te-ei todo esse poder 

E a sua satisfação 

Porque a mim me foi entregue 

E dou-o a quem bem quiser. 

Dou-te tempo de lazer 

Dou-te tempo de mulher. 

Portanto, tudo o que vês 

Será teu se me adorares 

E, ainda mais, se abandonares 

O que te faz dizer não. 

Disse, e fitou o operário 

Que olhava e que refletia 

Mas o que via o operário 

O patrão nunca veria. 

O operário via as casas 

E dentro das estruturas 

Via coisas, objetos 

Produtos, manufaturas. 

Via tudo o que fazia 

O lucro do seu patrão 

E em cada coisa que via 

Misteriosamente havia 

A marca de sua mão. 

E o operário disse: Não! 

– Loucura! – gritou o patrão 

Não vês o que te dou eu? 

– Mentira! – disse o operário 

Não podes dar-me o que é meu.

António Garcia Pereira

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.