Em nome do Pai, do Filho e do Novo Banco. (por Jacinto Furtado)

Espirito SantoNo passado Domingo, às 22h30, Portugal parou para ouvir uma espécie de conversa em família proferida pelo Governador do Banco de Portugal. Pela voz de Carlos Costa ficámos a saber que ressurreição e o milagre da multiplicação é afinal simples.

Com um passe de mágica, Carlos Costa, ao terceiro dia ressuscitou o BES, mais que ressuscitar transformou-o em dois, um a que chamou de banco mau e outro que disse ser um banco novo a que chamou Novo Banco. Teve ainda tempo para dizer que o Novo Banco e o BES são afinal a mesma coisa mas em bom.

Na conversa em família de Carlos Costa foi, eventualmente, mais importante o que não foi dito do que aquilo que foi dito. Foi dito que a totalidade do capital do Novo Banco seria detida pelo Fundo de Resolução, o que não foi dito, de forma clara, é que o Fundo de Resolução criado em 2012 e detido pelos bancos não tem capital suficiente para esta festa, tem cerca de 5% o resto, bem o resto está bom de ver vai ser na sua totalidade metido pelo Estado Português.

Ainda em relação ao Fundo de Resolução ficou esquecida por Carlos Costa a informação de que os bancos não estavam informados, não sabiam nem tinham dado o seu aval para que em seu nome fosse feito um empréstimo de mais de 4,5 mil milhões de Euros. Foi dito mas é falso que esta solução não acarreta nenhum risco para o contribuinte.

Querem saber como? Querem saber onde está o risco para o contribuinte? Imaginem que o Novo Banco não consegue realizar capital, imaginem que a venda do Novo Banco é feita por um valor muito inferior ao valor do empréstimo, agora imaginem que os bancos e o Fundo de Resolução são chamados a assumir o pagamento desse dinheiro.Estão a ver o resultado não é? A porrada que os bancos iam levar era de tal ordem que em vez de um Banco Novo acabávamos com uma dezena de novos bancos. Sendo que não é possível deixar cair o sistema bancário como um castelo de cartas está bom de ver em última instância quem iria/irá pagar a factura.

Afirmar-se que não há risco para o contribuinte é mais uma das mentiras sistémicas do regime personificado na pessoa de Lady SWAP. A propósito de Lady SWAP, em entrevista à SIC Notícias reconheceu que este empréstimo feito pelo Estado Português ao Fundo de Resolução vai afectar o défice. Se rapidamente o reconheceu mais rapidamente afirmou que isso não tem importância nenhuma, “é só estatística”.

Claro que sim, claro que é só estatística, da mesma forma que os desempregados em Portugal (os dos números oficiais, os que estão escondidos em acções de formação e os que já ninguém se lembra) são também “só” estatística. Também é “só” estatística o número de Portugueses na pobreza, é “só” estatística o número de Portugueses que passam fome. O que infelizmente não é estatística é o facto de Maria Luís Albuquerque (e companhia) ainda não fazerem parte da estatística dos “ex”.

O Ex-Dono Disto Tudo (ou talvez não) já disse que lá para Setembro vai falar, curiosa esta nova modalidade, tínhamos a reentrém dos partidos políticos agora vamos ter também a reentréem dos arguidos. Este final de verão vai ser uma animação. Talvez seja por isso que o verão teima em não começar, assim não tem de acabar e poupa-nos a cenas tristes.

Ainda em relação a Ricardo Salgado, gostava de entender a razão de ter sido detido para ser constituído arguido e para prestar declarações. O homem tinha sido notificado na véspera que tinha de se apresentar no Tribunal Central de Instrução Criminal no dia seguinte foram buscá-lo a casa porquê? Perigo de fuga não foi certamente, caso contrário não o tinham informado de véspera. Destruição de prova também não, caso contrário não o deixavam à solta a noite toda. Alarme social? Não me parece, já nada alarma esta população que já está preparada para tudo e já espera tudo. Para lhe poupar dinheiro no transporte?… … … Ou talvez para criar um facto noticioso e dar uma imagem do que não existe, uma justiça eficaz.

Até a medida de coação é, como dizer… … fraquita! Trocos para quem está habituado a receber presentes de 14 milhões.

Carlos Costa ficou muito admirado por Ricardo Salgado ter feito uma quantidade de malandrices depois de ele lhe ter dito que o ia “despedir” do BES. Ficou admirado, ficou chateado e não entende como foi possível. Eu explico-lhe Sr. Governador, explico-lhe utilizando a melhor definição que já ouvi para a situação, não me recordo quem deu esta explicação, peço desculpa por não atribuir créditos ao autor mas não me recordo:

“Não se pode deixar a raposa dentro da capoeira e dizer-lhe que não pode comer as galinhas!”

Entendeu Sr. Governador?

É nos pormenores que se vê a qualidade das acções e o cuidado com que se tratam as decisões que podem afectar a vida dum País, neste caso Portugal. São pequenos detalhes que demonstram que tudo é feito em cima do joelho porque em última análise quem paga é sempre o mesmo e responsabilidade é fêmea infértil que morre solteira. Já existe um Novo Banco em Cabo Verde e em Portugal o nome Novo Banco está registado pelo BCP desde 1989. Fantástico! Magnífico!

Estamos entregues aos bichos. Somos decididamente um Povo de galinhas presas numa capoeira com muitas raposas à solta. À solta mas dentro da capoeira!

2 comentários a “Em nome do Pai, do Filho e do Novo Banco. (por Jacinto Furtado)”

  1. ViriatoÀPaulada diz:

    Depois do descredito em que a justiça caiu esta tenta afirmar-se da pior maneira. Foi assim com Socrates em aliança com uma certa Comunicação Social, tambem ela a viver dos piores dias dos ultimos tempos. Fazem cortinas de fumo, para outros se escapulirem como aconteceu com os vistos GOLD. A Justiça anda de braço dado com a Comunicação Social protegendo a direita e todos os que melitam na Opus Dei e Maçonaria. A esses o irmão tem obrigação de proteger. A vergonha do arquivamento dos submarinos e de muitos mais casos com implicações a direita, contrasta com as condenações a esquerda de sucateiros e peixes menores de robalos e carapaus. Não e por acaso que se diz por ai que a justiça e zarolha da direita e vê muito bem da esquerda. Uns comem os figos e a outros rebenta a boca e quem paga sempre e o Ze.
    http://viriatoapedrada.blogspot.pt/2014/05/nem-o-espirito-santo-nos-vale.html
    http://viriatoapedrada.blogspot.pt/2012/08/paulo-portas-e-os-submarinos_15.html
    http://viriatoapedrada.blogspot.pt/2014/11/operacao-vistos-gold-e-as-ligacoes.html

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *