O senhor presidente da república é desonesto, cobarde e insensato! (por Carlos Paz)

cavacoO senhor presidente da república tomou as suas decisões e comunicou-as ontem ao País:

1) Escolhe Pedro Passos Coelho, líder do maior partido parlamentar (PSD) para primeiro ministro e encarrega-o de formar governo e apresentar os respetivos programa e orçamento ao parlamento;

2) Decide que NUNCA dará posse a um governo que tenha apoio (nem sequer é que integre, é só que tenha apoio) de partidos que não sejam o PSD, o PS e o CDS;

3) Informa que cabe ao parlamento decidir se o governo de Pedro Passos Coelho fica em “plenitude de funções” ou se fica condicionado como governo de gestão.

Quanto à primeira decisão (nomear Passos Coelho), NENHUM democrata se pode opor: a coligação VENCEU as eleições e, mais que isso, o PSD é o MAIOR partido parlamentar. Assim, na tradição da interpretação da constituição, NADA se deve objetar em relação à escolha.

Quanto à segunda decisão as coisas são MUITO mais complicadas. De acordo com o cidadão Aníbal Cavaco Silva, TODOS os Portugueses que votaram BE, CDU (PCP e PEV), PAN, MPT, PDR, PCTP/MRPP, PURP, NC, LIVRE, PT, PPM etc., são considerados ABSTENCIONISTAS: o seu voto não conta.

NENHUM democrata pode estar de acordo com isto. Isto não faz qualquer sentido. Isto não tem qualquer base legal.

O problema é que o cidadão Aníbal Cavaco Silva, que manifesta estas opiniões (em clara contradição com a constituição) não é um cidadão qualquer: é presidente da república. Não defende estas teorias absurdas nas redes sociais, mas sim em prime-time das televisões. Não se fica pelas teorias, pode passar à prática.

NENHUM democrata pode estar de acordo com isto. Isto não faz qualquer sentido. Isto não tem qualquer base legal.

Se o cidadão Aníbal Cavaco Silva, enquanto presidente da república pensa (e pratica) isto, deveria ter tido a honestidade, a coragem e a sensatez de o dizer aos Portugueses ANTES das eleições. Os eleitores mereciam ter sido avisados que a presidência da república opina (e pratica) que só o PSD, o PS e o CDS podem apoiar governos. Repito: ANTES das eleições!

NENHUM democrata pode estar de acordo com isto. Isto não faz qualquer sentido. Isto não tem qualquer base legal.

Quanto à terceira decisão, o senhor presidente da república está no seu direito (está na constituição). O governo se for chumbado no parlamento (como tudo indica que será) passará a “governo de gestão”, pelo menos até Maio de 2016, altura em que o novo presidente da república poderá convocar novas eleições.

Alguns “comentadores” (as aspas são propositadas) têm levantado o “fantasma” de que esta solução não é viável pelo facto de algumas das medidas do plano de austeridade perderem o seu efeito a 31 de Dezembro. De facto são só algumas e perfeitamente identificadas: basta um diploma governamental sobre elas ser aprovado no parlamento (e aqui a abstenção – violenta ou não – do PS está garantida, pelos superiores interesses da nação).

Como cidadão tenho uma EXIGÊNCIA a TODOS os candidatos a presidente da república: que digam ANTES das eleições presidenciais, se consideram (ou desconsideram) os votos nos partidos fora do trio: PSD, PS e CDS.

Como cidadão tenho uma EXIGÊNCIA a TODOS os futuros presidentes da república: que digam ANTES de cada eleição legislativa, se consideram (ou desconsideram) os votos nos partidos fora do trio: PSD, PS e CDS.

Aquilo que a falta de honestidade, de coragem e de sensatez de Aníbal Cavaco Silva, fez é INACEITÁVEL para qualquer Democrata!

NENHUM democrata pode estar de acordo com isto. Isto não faz qualquer sentido. Isto não tem qualquer base legal!

 Texto publicado por Carlos Paz na sua página do Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *