TAP: crónica de uma morte (cada vez mais) anunciada?

Sempre defendi que um país com cerca de cinco milhões de cidadãos na diáspora, duas regiões autónomas compostas por ilhas atlânticas, relações privilegiadas com as suas ex-colónias, e em que o turismo é uma importante actividade económica devido às suas condições naturais de excelência, Portugal deveria ter uma companhia aérea “de bandeira”, de titularidade e…

Contra a intimidação e manipulação na TAP (com sugestões para os trabalhadores)

A TAP e o Governo ensaiaram, nas últimas semanas, algumas decisões e manejos, sobre os quais importa reflectir, porquanto representam manobras de diversão ou tentativas de desresponsabilização, particularmente importantes numa altura em que se prevê que possam tentar tomar medidas, não só mais violentas ainda, como igualmente susceptíveis de causar particular repúdio, (como é o…

TAP: Um manto de silêncio sobre ameaças, mentiras e incompetências

As sucessivas barbaridades que têm vindo a ser cometidas na TAP, e não só contra os trabalhadores, mas também contra o próprio interesse nacional, bem como o asfixiante e cúmplice silêncio que sobre elas tem sido mantido (quer pela generalidade das organizações representativas dos trabalhadores e dos próprios partidos políticos, quer por grande parte da…