Vamos chamar os bois pelo nome… Jornalismo de latrina! (por Jacinto Furtado)

Capa CMNão é de hoje, não é novidade, não é por acaso que muitos, entre os quais me incluo, chamam ao Correio da Manhã o Correio da Manha. A capa de hoje do manhoso diário é feita à custa dum jovem jogador do Sporting.

Não, o Mané não cometeu nenhum crime nem praticou nenhum acto digno de tão grande destaque.

O Mané, alegadamente, é filho dum traficante de droga que está para ser julgado e ao que parece anda fugido à justiça.

Quantos traficantes de droga andarão fugidos à justiça? Muitos!

Quantos têm honras de primeira página? Muito poucos!

Quantos vêem o seu nome publicado? Quase nenhum!

Quantos vêem os seus familiares atirados para a lama em seu lugar? Nenhum!

O manhoso escriba só publica esta notícia para ter a possibilidade de utilizar quatro letras M A N É, o resto não lhe interessa, são essas quatro letras que vão vender o pasquim a que alguns ainda chamam jornal.

“Pai de Mané em fuga por tráfico de droga” … “Cabecilha de rede que vai a julgamento em Loures é o pai da pérola leonina”.

Pode-se perguntar se é caso único no pasquim, a resposta é um redundante NÃO, esta é a forma do manhoso e seus assalariados manhosos estarem no mercado, a envergonharem os verdadeiros jornalistas e a reduzir a estrumeira uma profissão.

O Manhoso Diário é useiro e vezeiro em publicar tudo o que lhe cheire a sensacionalismo, verdade ou não pouco importa. Publica-se o resto que se lixe. Publica-se porque o que importa é vender.

Para ser Jornalista, verdadeiro jornalista, não é apenas necessário ter carteira profissional, isso é o menos importante. É preciso, isso sim, ter ética, ter moral, ter consciência e ter a capacidade de trabalhar. Sim porque dá trabalho fazer jornalismo, dá trabalhar investigar, dá trabalho confirmar, dá trabalho escrever, dá trabalho ser sério e honesto.

É bem mais fácil ser um pária do jornalismo, usar o nome de inocentes para vender papel. É bem mais fácil ser um proxeneta do sucesso dos outros e utilizar esse sucesso para fazer primeiras páginas.

Gostava de saber onde anda a Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC) que é tão rápida a agir em relação a algumas coisas mas tão distraída em relação a outras. Curiosamente a ERC é dirigida por um jornalista, será que não lhe causa urticária o comportamento dos seus pares?

Gostava também de saber para que serve a comissão de carteira, além de servir para cobrar a sua emissão e renovação. Perante grosseiras violações do código deontológico não era suposto a comissão de carteira agir, inclusive em defesa e protecção dos verdadeiros jornalistas?

Há tanta coisa para escrever, tanta coisa para investigar, tantas denúncias para fazer, tantos criminosos que nem têm necessidade de fugir à justiça porque têm um cartão partidário mas o pasquim e outros que tais não se metem com eles, porque será?

Tenho pena dos verdadeiros jornalistas, tenho pena dos profissionais honestos e competentes que são arrastados para a lama por esta gentalha. Tenho pena mas não muita porque vêem, critica, ficam incomodados mas não fazem nada!

Tenho saudades de grandes jornalistas já desaparecidos e da falta que nos fazem. Tenho pena, muita pena que o seu trabalho, a sua profissão seja enxovalhada por esta gente.

Vamos chamar os bois pelo nome… Não chamem jornal e não chamem jornalistas a este tipo de coisas… Chamem-lhe aquilo que são… UMA MERDA!

3 comentários a “Vamos chamar os bois pelo nome… Jornalismo de latrina! (por Jacinto Furtado)”

  1. Muttley diz:

    Carteiras de Jornalista “arranjadas” na Rádio Horizonte…. Tenham vergonha !!!

  2. Muttley diz:

    Estes “pseudo-jornalistas” continuam a apagar os comentários que não gostam….. Vão tirar o Curso Superior, pá ! Vão mas é estudar !

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *